Exibir mapa ampliado

sábado, 9 de janeiro de 2010

Mapas On Line

Curso de Especialização em Tecnologias da Informação e da Comunicação na Promoção da Aprendizagem - UFRGS
PROA17 - Oficina de Blogs e Flogs
Componentes do Grupo:
Elaine Flores
Márcia Lisiane Knop Ferron
Terezinha Bernardete Motter
Vera Frantz

Introdução:
Entre as várias tarefas desenvolvidas na Oficina sobre Blogs e Flogs do Curso de Pós-graduação Latu Sensu Especialização em tecnologias da Informação e da comunicação na Promoção da aprendizagem da UFRGS, esteve a realização de trabalho em grupos. Somos o grupo 3 e ficamos encarregadas em pesquisar na rede sobre Mapas , com indicação de pesquisa no Google Maps e Flagr. Nosso assunto, então, ficou conhecido como “mapas on-line”, sendo explorados sites em sua maioria na “busca”. A busca desses endereços eletrônicos, teve como propósito conhecer os ambientes e endereços, disponibilizando-os para o conhecimento do internauta, acompanhados de tutoriais para esclarecimentos de uso dos programas e navegação.
Os sites que exploramos apresentam e oferecem um nova metodologia de ensino da cartografia, para além daquela tradicional de apresentação plana, com imagens de visualização de espaço tridimensional para percepção de formas e volumes. Segundo CASARIN(2004), a Cartografia, é uma ciência e ao mesmo tempo uma técnica; é entendida como uma arte em levantar dados, redigir e divulgar mapas. Desta forma, entendemos o mapa virtual como um veículo de informação e conhecimento do espaço global, que tem como um dos propósitos preparar o aluno, bem como o internauta para compreender a organização da sociedade e as modificações ocorridas nesse espaço.
A representação no mapa é uma simplificação da realidade, a partir da seleção de elementos simbólicos e sinais apropriados, mostrando a aparência do resultado da ação do homem sobre a natureza, favorecendo as pessoas interagir com o mundo em que vive. É de fundamental importância o aluno, bem como o internauta entender essa complexidade da organização do espaço, sentindo-se parte desse processo de construção e reconstrução do espaço em que vivem.

Desenvolvimento:
Sendo o ensino da geografia, enquanto ciência social, o componente curricular preocupado em estudar o espaço em sua dimensão social de construção, podemos trabalhar a exploração do entendimento da localização do espaço, muito bem em qualquer momento, desenvolvendo a interdisciplinaridade, inclusive de maneira autônoma. Uma vez parte desse universo e, entendido o espaço como sendo construido ao longo da história da humanidade e o homem, o gente de transformação desse espaço que precisamos conhecer e entender essa complexidade. Deste modo, a cartografia vem como um instrumento auxiliar do ensino de Geografia.
O uso de mapas servem para as pessoas se orientarem, localizar pontos de referência, conhecer determinado espaço físico, visualizar o real em tamanho reduzido, enfim serve para retratar algo, como se fosse uma fotografia. O geógrafo francês Yves Lacoste afirmava que ao interpretar os dados de um mapa era “saber agir sobre o terreno”.Sendo o espaço geográfico, modificado pela constante ação do homem sobre a natureza, os mapas são importantes meios de acompanhamento desse processo de ocupação, exploração e modificação da natureza , sendo eles agrícola, industrial, climáticas e ou de circulação de mercadorias.

Neste trabalho foram explorados softwares que fazem uso de multimídia no ensino de mapas. Para termos uma idéia de como as imagens são obtidas, como acontecem as técnicas de pesquisa em eletrônica, vamos falar um pouco sobre a obtenção de imagens a distância, que segundo especialistas o Sensoriamento Remoto, é uma das busca mais eficazes e econômicas de se observar a terra. Essas captações de imagens são compostas a partir de plataformas espaciais, satélites, aviões, estações terrestres de rastreamento e coleta de dados sobre um objeto, terreno, espécime , etc, sem contato físico com o mesmo que são processados em computador. Como exemplo bem simples de Sensoriamento é a fotografia. Mesmo com toda essa tecnologia, muitas vezes, há necessidade em complementar as pesquisas “in loco”, a fim de coletar dados mais precisos.
Existem vários tipos de satélites orbitando a Terra e alguns planetas do Sistema Solar. Cada tipo de satélite pode ter características distintas, dependendo ao que se destina. Alguns satélites meteorológicos, por exemplo, orbitam a Terra em órbitas chamadas geo-estacionárias, ou seja, todo o tempo, estão "vendo" a mesma Terra da mesma posição e parecem estar sempre "parados" sobre o mesmo ponto.Os satélites de coleta de dados, em geral, não são geo-estacionários e cobrem todo o globo. Geralmente, demoram alguns dias para passar sobre o mesmo ponto da Terra e se utilizam de vários sensores embarcados. Por exemplo, o satélite SPOT (França) tem um ciclo de 26 dias e 3 sensores espectrais; o LANDSAT V (EUA) tem um ciclo de 16 dias e 6 sensores espectrais e um sensor termal. Esses satélites são denominados Multi-espectrais.A origem da história dos satélites se deu na União Soviética com o primeiro satélite artificial feito pelo homem, o Sputnik 1, lançado em 4/10/1957. Em 31/01/1958 os Estados Unidos lançaram o seu, o Explorer 1. No Brasil o satélite SCD-1 foi desenvolvido no INPE e lançado pelo foguete americano Pegasus em 9/02/1993.Os altos custos dessa tecnologia tornam os países em desenvolvimento dependentes das imagens fornecidas por equipamentos de outras nações. Assim, os mapas on-line vêm favorecer ao internauta sua visualização de modo, muitas vezes, quase real, encantador, com efeitos especializados, levando a abrir infinitas janelas, remetendo a explorar lugares jamais vistos e imaginados.Podemos encontrar mapas com variadas finalidades, como é o caso do Kartoo que localiza os grupos a qual estamos logados na Internet, também os geográficos, como o Google Earth, o Flagr, o guia geo-mapas, entre outros pesquisados, sendo possibilitado em rede, desenvolver verdadeiras aulas interdisciplinares, envolvendo os diferentes componentes curriculares, principalmente a geografia. Para saber qual o Mapa que estamos interpretando, primeiramente a atitude é ler o título para saber de que trata o conteúdo do mapa; após, reconhecer a legenda, pois é, através dela, que mostra as convenções e a compreensão do mapa. Encontra-se geralmente na parte inferior esquerda ou direita. Para se ter uma idéia das distâncias e do tamanho real do que está sendo mapeado, se consulta a escala. Os pontos cardeais e colaterais indicam as referências de direções norte, sul, leste e oeste.

As Informações captadas através de sensoriamento remoto, podem ser utilizados como material didático em sala de aula, através de:- Traçado de áreas urbanas e rede viária que comunica a cidade onde o aluno vive com o entorno imediato;- Formas de crescimento das áreas urbanas e progressiva invasão do espaço agrícola;- Estudo geográfico do espaço imediato ao aluno;- Correlacionar o tipo de ocupação humana com os aspectos físicos, econômicos e sociais da região onde o aluno vive;- Distribuição do uso do solo no tempo e no espaço e sua relação com os aspectos econômicos da região onde o aluno vive;- Explicar aspectos mais complexos como relevo, bacias de drenagem, correntes oceânicas, uso do solo e áreas agrícolas de uma região, aspectos de inundações, etc.;- Identificar áreas de preservação de mananciais e sua forma de ocupação;- Caracterização de áreas de preservação, tais como áreas alagadas, planícies fluviais, áreas costeiras, áreas de mangue, florestas naturais;- Correlacionar as altitudes do local com as formas do relevo, uso do solo e quantidades de precipitação;- Correlacionar o tipo de ocupação humana com os aspectos físicos, econômicos e sociais da região onde o aluno vive.
A tecnologia mostra novas possibilidades para o desenvolvimento de aplicações direcionadas ao ensino, no caso, ao ensino de mapas, a utilização dos recursos já existentes abrirá caminho(s) para a reflexão, análise e o desenvolvimento de novas aplicações, talvez ainda, mais adequadas às reais necessidades dos professores e alunos. Cabe explorar, refletir, testar para entender quais as mais interessantes aplicações que podem ser feitas em sala de aula.
Os Sites pesquisados pelo grupo foram:
Clustrmaps - Informações do número de Visitantes e locais
Earth Google (site para download do Google Earth – Free)
Mapas Google - (Localização Geográfica)

Conclusão:
Os mapas como recursos de informação e busca de conhecimentos, possibilitam desenvolver um trabalho pedagógico riquíssimo em sala de aula, mais precisamente a partir da 5ª série, onde já conseguem abstrair conceitos na compreensão da construção cartográfica. Os mapas on-line que exploramos buscam melhor compreensão dos diversos fatos geográficos, se trabalhados e motivados a apartir de orientações por parte dos professores, não necessáriamente nas aulas de geografia.
Utilizando-se de mapas on line estimula-se os alunos a se familiarizarem ao uso da internet, permitindo assim, o acompanhamento dos avanços tecnológicos.
http://www.esteio.com.br/newsletters/paginas/006/orientacao.htm
CALLAI, Jaeme Luiz(org) e outros. Área de Estudos sociais: Metodologia. Livraria UNIJUI. Ijuí.1986
NOGUEIRA, Nilbo Ribeiro. Pedagogia de Projetos: Uma jornada interdisciplinar rumo ao desenvolvimento das múltiplas inteligências.6ª edição.Editora Érica.2005.

Marcadores: , , , , , , ,

Get Free Shots from Snap.com